Categoria: Blog

Um dos momentos mais ‘pepinosos’ que existe na vida de uma equipe comercial é quando precisamos mexer na tabela de preços e comunicar esse reajuste aos clientes. No caso, reajuste para cima, que fique claro – aumentando os preços. Comunicar diminuição de preços é mais fácil – é só fazer uma promoção e dar descontos!

Seja por questão de aumento de custos, por refazer margem, por posicionar diferente, é uma realidade e faz parte do dia a dia de qualquer vendedor.

Como fazer isso da maneira mais eficiente, correta e que não prejudique os negócios, não irrite os clientes (pelo contrário) e fortaleça o relacionamento?

Essa foi uma pergunta que um dos alunos de meus cursos online me fez na semana passada (e é justamente uma das grandes vantagens de fazer cursos comigo – acesso direto ao Raul ???? ) .

Organizei a resposta em ‘passos’, para facilitar (gosto dessa maneira mais organizada e estruturada de passar sugestões e recomendações pois acho que ajuda as pessoas a colocarem em prática, e não só a lerem).

Coloquei na lista 5 coisas que o aluno poderia fazer para comunicar aos clientes um reajuste na tabela de preços.

E você, o que acha disso? Que experiências você poderia compartilhar com a gente em relação a melhores práticas e recomendações para repassar reajustes de tabela e aumentos de preço da forma mais eficiente para seus clientes?

5 dicas sobre como comunicar para seus clientes

um reajuste na tabela e aumento de preços

 

1) A primeira coisa que eu faria seria dar um ‘heads up’, um aviso prévio.

– Aumento vai acontecer daqui a 3 ou 6 meses… não agora.

 

2) Segunda coisa é sempre olhar para algum tipo de custo que possa ser usado como referência e justificativa 

– Insumos aumentaram em ‘X’% e precisamos reajustar nossa tabela para equalizar isso.

 

3) Terceira coisa é olhar benefícios dados para o cliente e reforçar isso claramente.

– Queremos continuar oferecendo X, Y, Z (Benefícios e não características, ok?), queremos continuar trabalhando junto com vocês para ajudar vocês a ABC, mas para isso realmente precisamos reajustar a tabela.

 

4) Quarta coisa é oferecer opções. Por exemplo, ‘assinaturas’ e contratos de maior duração. Ou aumentar o valor médio do pedido.

– Se ao invés de renovarem por 6 meses vocês renovarem por 12, consigo manter a tabela atual para vocês (ou diminuir o % de aumento).

– Se ao invés de comprarem R$ XXX por mês comprarem R$ YYY, consigo manter a tabela atual para vocês (ou diminuir o % de aumento).

 

5) Quinta coisa seria fazer um aumento maior mas oferecer um desconto. É minha última opção e só usaria com clientes que realmente precisam sentir que estão barganhando e levando alguma vantagem.

– A tabela vai ser reajustada em 15%. Como vocês têm um volume razoável de compra conosco, são clientes de longa data, consigo negociar internamente isso para que fique entre 11 e 12%

 

Ok? São minhas sugestões sobre como comunicar para seus clientes um reajuste na tabela e aumento de preços .

E você, o que acha disso? Que experiências você poderia compartilhar com a gente em relação a melhores práticas e recomendações para repassar reajustes de tabela e aumentos de preço da forma mais eficiente para seus clientes?

Poste seus comentários abaixo e compartilhe com quem achar que pode ser beneficiar do artigo!

Abraço e boas vendas,

Raul Candeloro
P.S. Gostou do artigo? É justamente este tipo de informação que vemos no meu curso APV. Estão abertas as inscrições para a turma do segundo semestre de 2017 do curso Alta Performance em Vendas. Mais informações aqui: http://www.institutovendamais.com.br/curso/apv-alta-performance-em-vendas/ .
P.S. 2: Se você é gestor de uma equipe comercial e quer treinar sua equipe de vendas, mande-me um e-mail que eu encaminho para um de nossos consultores especializados que vai tirar suas dúvidas e ajudar você a montar seu plano de treinamento para este segundo semestre (meu e-mail é raul@vendamais.com.br)

Gostou?

Muitas empresas com dificuldades de atingir suas metas têm focado a maior parte dos seus esforços em prospecção de novos clientes e na busca de novas oportunidades.

Isso é ótimo mas, de certa forma, mascara a possível ineficiência dos processos atuais. Existe muita coisa que pode ser feita rapidamente para melhorar os resultados de uma equipe de vendas, sem contratar mais gente e com exatamente a mesma carteira de clientes e o mix dos produtos e serviços atuais.

Basta trabalhar estes 6 pontos e investir de verdade no treinamento e desenvolvimento da sua equipe de vendas.

1) Vendedores não batem as metas porque não sabem O QUE fazer – quais atividades e processos de vendas resultam nos melhores resultados?

Vemos isso acontecendo com frequência – vendedores recebem treinamentos muito superficiais. Isso quando recebem treinamento.

Só para você ter uma idéia, na última pesquisa que a VendaMais fez com seus assinantes no Brasil inteiro:

– 50% das empresas NÃO TREINAM seus vendedores
– 25% das empresas treinam seus vendedores 1 ou 2 vezes por ano (isso não é treinamento – são palestras em convenções ou encontros de vendas)
– 25% das empresas têm programas no mínimo mensais de desenvolvimento da equipe comercial

O que as empresas precisam hoje é de uma metodologia ou processo de vendas que faça com que todos os vendedores sejam eficientes e batam suas metas, e não apenas aqueles/aquelas que têm um talento natural maior para isso. Principalmente quando as condições de mercado mudam e fechar metas altas passa a ser mais desafiador.

Pegue os passos da venda, por exemplo. São 8:

– Planejamento
– Prospecção
– Abordagem
– Levantamento de Necessidades
– Proposta de Valor
– Negociação
– Fechamento
– Pós-venda

Todos os vendedores de uma empresa deveriam ter uma rotina estabelecida para cada um desses passos. Quando você deixa que cada membro de uma equipe de vendas decida o que quer fazer e como quer fazer para atingir uma meta, vai rapidamente notar uma ineficiência muito grande.

Alguns farão bem alguns passos, outros farão bem outros passos, uns poucos serão ruins em todos eles (ficando fácil entender porque nunca batem a meta) e outros serão ótimos ou excelentes em todos (ficando fácil entender porque sempre batem ou pelo menos chegam muito próximo da meta).

Mas se você não transforma a venda em processo e conversa sobre isso com a equipe, ensinando e trocando experiências sobre O QUE deve ser feito para ter excelentes resultados, nunca será consistente na sua TAM (taxa de atingimento de metas).

2) Vendedores não batem as metas porque não entendem PORQUE deveriam fazer algumas atividades e processos de venda

Simon Sinek tem um livro excelente (Como os líderes inspiram para a ação) e um vídeo no TED ótimo sobre o assunto. Ele chama de ‘Reason Why’, ou seja, o grande ‘porque’ de alguma coisa.

Quando você manda alguém fazer alguma coisa ou atingir um resultado e não explique PORQUE isso precisa ser feito, o que acontece é uma baixa aderência da equipe a padrões e processos. Você diz para uma pessoa fazer uma coisa sem PORQUE e ela só vai fazer enquanto você estiver olhando ou se estiver sendo cobrada por isso, com consequências negativas em casos de desvio.

Mas não é isso que queremos. Um bom líder comercial quer que sua equipe seja eficiente, pratique as melhores técnicas e siga suas recomendações quando ele/ela NÃO estiver. Sem ter que ficar cobrando o tempo inteiro da equipe como se fossem crianças.

Pegue coisas simples, como planejamento diário, metas de prospecção, trabalhar melhor o mix, aprofundar-se no levantamento de necessidades para detectar mais oportunidades. Tudo isso é discurso diário de qualquer gestor comercial, mas poucas vezes colocado em prática pela equipe.

Muitos líderes reclamam da imaturidade das suas equipes de vendas mas, se você prestar atenção, verá que são as ações do líder que provocam as reações imaturas da equipe.

Um dos melhores passos que pode ser dado para melhorar isso é explicando o PORQUE de processos e de metas.

3) Vendedores não batem as metas porque não sabem COMO fazer as atividades e processos de vendas

Se você perguntar para uma equipe de vendas “Quem aqui sabe negociar?”, todo mundo vai levantar as mãos e dizer que sim. Vendedores negociam todos os dias – afinal de contas, qual é o cliente que não tenta pedir algum tipo de benefício ou vantagem?

A questão passa a ser então COMO estes vendedores estão negociando. Quando fazemos treinamentos de Negociação nas empresas, é comum organizarmos dinâmicas com rodadas de negociação. O amadorismo é evidente, mesmo em veteranos.

Se você fizer avaliações mais criteriosas de cada um dos 8 passos da venda verá a quantidade enorme de oportunidades de melhoria que existe. Por exemplo, em vários cursos meus eu peço para os alunos criarem 5 tarefas para cada passo da venda – 40 tarefas no total – e se auto-avaliarem. A nota média é entre 5 e 6 (sendo 10 o máximo, a nota mais alta).

Ou seja, uma equipe de vendas, quando bem orientada no planejamento das tarefas que lhes levariam aos melhores resultados de vendas, descobre rapidamente (e com muita surpresa) que só estão fazendo METADE do que poderiam (e deveriam) estar fazendo.

Sobre a economia brasileira não temos controle, mas sobre as tarefas que realizamos sim. E se só estamos fazendo 50% do que deveria ser feito, fica fácil de entender como melhorar resultados rapidamente.

4) Vendedores não batem a meta porque não sabem QUANDO fazer as atividades e processos de vendas

Vamos fazer uma pausa para reflexão agora. A pergunta é:

“Conhecendo o perfil da maior parte dos vendedores da sua equipe de vendas, você diria que eles/elas têm uma tendência maior à ação ou ao planejamento?”

Com toda a experiência e anos de mercado que temos na VM, já sabemos que a questão do planejamento diário, semanal, mensal e anual é uma dificuldade e um desafio tremendo para muitos profissionais de vendas.

E não só planejar, mas também EXECUTAR o que foi planejado.

Aqui entra uma parte de atitude (planejamento e execução tem muito de disciplina), do uso das ferramentas corretas (o simples ato de começar a usar uma agenda já é um tremendo benefício para muitos vendedores, de entender o Reason Why, de ter os indicadores corretos (para que os vendedores possam entender claramente como suas atividades depois se traduzem em resultados concretos em vendas).

5) Vendedores não batem a meta porque não sabem QUANTO fazer de cada atividade e processo de vendas

Um dos pontos mais fáceis de se observar tanto a necessidade quanto as oportunidades imensas de melhoria que existem é analisando os indicadores de performance que um vendedor ou vendedora usa para acompanhar e avaliar seu próprio trabalho.

Mesmo tendo à sua disposição inúmeros indicadores que poderiam ser acompanhados, é muito raro encontrar um vendedor ou vendedora que acompanha todos os principais e que são os que recomendamos aqui na VendaMais:

a) Quanto vendeu no mês?
b) Quanto foi faturado dentro do próprio mês e quanto foi parcelado?
c) Qual foi o valor médio de compra/pedido ou ticket médio?
d) Quantas oportunidades de vendas (contatos) o vendedor teve no mês?
e) Qual foi o percentual de fechamento de oportunidades ou aproveitamento de contatos?
f) Qual foi o mix de produtos/serviços trabalhados?
g) Qual foi a taxa média de descontos dados?
h) Quanto da carteira de clientes foi ativa / positivada?
i) Quanto da carteira ficou inativa ou não positivada?
j) Houve inadimplência? Se sim, qual foi a taxa?

Existem outros, dependendo do ramo da empresa, sua forma de atuação e estratégia, mas se você pegar esses 10 indicadores de performance em Vendas, que são os mais simples e todos bem práticos e objetivos, verá que a maior parte dos vendedores não os trabalha corretamente (assim como a maior parte dos líderes comerciais também não).

6) Vendedores não batem as metas porque não estão motivados para realizar as atividades e processos de vendas:

O baixo engajemento das equipes de vendas é, infelizmente, algo comum. E não é culpa dos vendedores. Nas pesquisas que temos feito, alguns pontos têm aparecido com frequência:

– Falta de comunicação clara com a equipe
– Equipe não entende ou acha que a empresa não tem uma estratégia definida para vencer num mercado cada vez mais concorrido
– Falta de feedback sobre seu crescimento e resultados nos últimos 6 meses
– Falta de um programa claro de treinamento

Note que todos os pontos que colocamos aqui são facilmente identificáveis e ótimos para trabalhar num processo continuado de treinamento e desenvolvimento da sua equipe de vendas, com encontros semanais ou quinzenais e feedback constante, focado na melhoria do desempenho com o apoio dos indicadores de performance.

Essa é a forma como os líderes de equipes de alta performance estão trabalhando seus vendedores.

E você, o que acha disso?

Incluiria algum 7º motivo pelo qual as equipes de vendas não batem suas metas e o que pode ser feito para melhorar isso?

Conhece alguém que poderia também se beneficiar deste artigo? Compartilhe!

Abraço e boas vendas,

Raul Candeloro
P.S. Gostou do artigo? É justamente este tipo de informação que vemos no meu curso APV. Estão abertas as inscrições para a turma do segundo semestre de 2017 do curso Alta Performance em Vendas. Mais informações aqui: http://www.institutovendamais.com.br/curso/apv-alta-performance-em-vendas/ .
P.S. 2: Se você é gestor de uma equipe comercial e quer treinar sua equipe de vendas, mande-me um e-mail que eu encaminho para um de nossos consultores especializados que vai tirar suas dúvidas e ajudar você a montar seu plano de treinamento para este segundo semestre (meu e-mail é raul@vendamais.com.br)

Gostou?

Um de nossos alunos do curso online APV – Alta Performance em Vendas postou uma pergunta muito interessante e queria compartilhar com você a resposta, pois é algo que acontece com freqüência e que incomoda até mesmo vendedores veteranos.

Estávamos falando sobre prospecção de novos clientes e surgiu uma dúvida no grupo: o que fazer quando o prospect sendo abordado descarta rapidamente o contato do vendedor, dizendo algo como “Não tenho interesse”?

O vendedor não teve nem tempo de se apresentar e já leva um ‘não’ atravessado desses. O que fazer?

Vamos começar pelo começo, que é sempre um ótimo lugar para começar.

Se você está ouvindo objeções já de cara, antes mesmo de conseguir avançar para os outros passos da venda, precisamos primeiro entender POR QUE isso pode estar acontecendo. (mais…)

Gostou?

Um dos maiores desafios de qualquer vendedor hoje em dia é prospectar novos clientes de maneira eficiente.

A palavra ‘prospectar’ vem de fazer pesquisas numa mina ou jazida de minérios para determinar seu valor. Para o profissional de vendas, é o processo organizado e estruturado de buscar novos clientes para comprar os produtos/serviços que sua empresa vende.

Prospectar é fundamental para qualquer empresa que quer crescer. Afinal de contas, não existe coisa mais triste em Vendas do que ter um bom produto ou serviço, um preço competitivo e a maioria dos seus potenciais clientes nem saber que você existe.

“Ah, mas isso é função do Marketing!”, dirão muitos. Sim, pode ser. Mas pode não ser também. Não dá para ficar terceirizando seu sucesso assim. É melhor ter controle sobre de onde virão seus novos clientes. Então é melhor assumir a responsabilidade e prospectar. (mais…)

Gostou?

O Workshop GESTÃO EM VENDAS é um evento de alto impacto, pensado para líderes, gerentes, supervisores, diretores e empresários que objetivam aumentar as vendas da sua empresa e definir estratégias de negócios inteligentes, lucrativas e alinhadas às necessidades do mercado consumidor.

Público Alvo: Líderes, gerentes, supervisores, diretores e empresários.
Dia: 21 de novembro de 2014
Local: Auditório Imigrante – Centro Administrativo Municipal de Encantado/RS
Horário: 8h 30min às 17h 30min (1h de intervalo para almoço)
Duração: 8 horas

Mais informações
http://www.lumeonline.com.br/cursos/workshop-gestao-em-vendas/


Workshops

Os workshops de Raúl Candeloro podem ser contratados com a duração de 4 horas, 6 horas ou 8 horas. O tempo dependerá da disponibilidade do evento e da profundidade do tema apresentado.
Os workshops trazem diversos exercícios práticos com um sistema eficiente para aumentar os resultados. Como é um tempo maior de trabalho, é possível praticar a teoria já na sala de treinamento, ajudando assim o aprendizado dos participantes.
Há tempo para que as dúvidas sejam tiradas, para que o mercado e realidade atual da empresa possam ser discutidos, as pessoas podem participar e os líderes podem, juntamente com o Raúl, direcionar o treinamento para que nele sejam trabalhadas as principais necessidades da equipe.

Gostou?

Pin It on Pinterest